26.1.12

Todo o amor que houver nessa vida.

Sonhei que eu era uma fada e estava dando uma festa cheia de gente. Apareceu um bruxo gatinho e eu me apaixonei por ele. Mas a casa estava cheia de gente e eu estava procurando um quarto vazio pra podermos ficar sozinhos. Quando me dei conta, a festa tinha acabado e todo mundo tinha ido embora. Sobraram apenas duas moças que começaram a discutir a possibilidade de eu morrer, sendo intríseco ao meu poder de fada, caso eu dormisse com o bruxo. Elas ficaram discutindo um tempão e eu decidi ignorá-las. Eu não morri no final. E foi um dos melhores sonhos dos últimos tempos. Daqueles que a gente sente, sabe?

Estou solteira há um tempo considerável. Desde que terminei o namoro de três anos resolvi me dedicar à faculdade, desenhar, escrever, ler livros, sair mais com meus amigos, reatar amizades antigas. Enfim, fazer coisas para mim. Ouvir as músicas que eu ouvia antes, procurar conhecer artistas novos, reestabelecer meu estilo pessoal, que tinha se perdido. Não tenho saído muito. Não para conhecer gente nova. Não para me prender a uma pessoa nova. Mas de vez em quando eu pergunto se meus amigos têm um amigo para me apresentar. Sabe, acho mais seguro.

Uma amiga minha tinha quatro nomes em mente, mas descartou três deles por não achá-los bons o suficiente. Dois eram egoístas demais e namoraram, ambos, uma mesma outra amiga minha. O outro só pensava na banda dele. Se ele ficar famoso no futuro, vamos todas ficar arrependidas. O quarto - o mais bonito e interessante, diga-se de passagem - não é íntimo dela ao ponto de apresentar para uma amiga. Quis morrer. Fiquei tentada a adicionar no facebook, mas tenho medo de brincar de mulher fatal e não conseguir segurar o ato. Segurança é meu nome do meio.

Pedi pra minha irmã me apresentar àlguém. Ela acabou de arrumar um emprego novo e sempre conhece gente nova. Mas ela só tinha um cara meio gordinho, mas que era legalzinho. Conversamos no facebook algumas vezes, mas não deu certo. E três meses depois, ele está namorando outra pessoa! Olha só. Dou a maior sorte para as pessoas. Ele nem era tão legal assim, acho que vou desamigá-lo.

Essa mesma amiga pediu sugestão pro namorado dela e depois pra um amigo em comum. Ninguém conhecia ninguém que fosse solteiro e apresentável, que prestasse um pouquinho. O pior foi quando uma amiga minha pediu para eu apresentá-la aos meus amigos, também não consegui pensar em ninguém decente. O que me dá mais medo de sair pra conhecer pessoas aleatórias sozinha é que todas essas pessoas sejam os amigos não apresentáveis de alguém.

11 comentários:

❥ elisa disse...

Deh parece que eu to lendo um post sobre a minha irmã.. hahahaha.
Vou aproveitar e dar uma dica que dei a ela: saia para lugares que você acharia interessante que seu "futuro namorado" gostasse.
Nada dessas baladas de piriguete, que dificilmente atraem pessoas que gostam de levar os outros a sério.
E saia com seus amigos, quem sabe eles não conhecem alguém que a princípio não estariam na sua lista, mas mesmo assim despertou o seu interesse, né?
Beijos!

Luana Pagung disse...

Eu nunca tinha pensado por esse lado: "O que me dá mais medo de sair pra conhecer pessoas aleatórias sozinha é que todas essas pessoas sejam os amigos não apresentáveis de alguém."
De fato.

Eu não gosto disso de "apresentar" alguém, conhecer por "indicação", exatamente porque a gente nunca conhece ninguém o suficiente pra isso, e esse tipo de escolha acaba virando uma seleção, como a sua amiga que deixou de te apresentar 2 caras por "N" motivos, mas e esses defeitos fossem características base para uma personalidade interessante? Pronto, na seleção já se perdeu. Talvez não seja o caso, mas nessas "seleções" isso acaba acontecendo muito, exatamente porque a gente acaba ficando, hã, mais seletivas! Acaba escolhendo demais.
Acho que isso acaba acontecendo naturalmente, é tão clichê, eu sei, demora tanto na maioria das vezes, eu sei. Mas acho que flui melhor assim, mas né, quem sou eu! E este comentário já esta enorme, desculpe.

Mas só pra te dar uma pequena esperança sobre a vida (ai, que brega isso soa! rs) eu passei por isso também, terminar um relacionamento, ficar um bom(!) tempo completamente sozinha, e no fim acabei conhecendo alguém bacana, através de uma amiga, mas nada de apresentações, foi completamente aleatório, ele apenas estava na mesma mesa que ela jantando e gostou de mim quando me viu cumprimentá-la. A vida surpreende, acontece.

Kamilla Barcelos disse...

Assim, eu sei que você escreveu o texto com intuito de seriedade. Mas eu ri demais lendo. hahaha Eu explico: concordo com tudo o que você disse, mas nunca tinha parado para pensar que os homens que eu encontro são aqueles amigos não apresentáveis. Estou achando que são sim. hahaha

Carlos disse...

nem faz tanto tempo assim que você tá solteira, deborah. eu fiquei bem mais que você!
mas aproveita esse tempo, a unicamp tá cheia de festas. o teatro de arena te espera, pô. aproveita lá por mim.

Camile disse...

Estou na mesma situação... como está difícil! O último amigo perfeitinho que conheci e que pensei "é esse", descobri que tinha namoradO. Enfim, o jeito é esperar, rsrs...

Te indiquei lá no meu blog pra ganhar o selo Liebster, depois pegue lá! Adoro ler seu blog, passarei a comentar com mais frequência =)

http://www.camilecarvalho.com/2012/02/selo-liebster.html

Beijos!

Del Santana disse...

Deborah, quando você disse que tem se dedicado ao desenho, entre outras coisas, fiquei imaginando você desenhando esse seu sonho :D é que essas criaturas mágicas são, digamos, tão "desenháveis" ^__^.

Olha, é meio clichê, sabe, mas muitas vezes a pessoa certa aparece quando menos esperamos. Passei muito tempo procurando "a pessoa", mas nunca deu certo. Aí, do nada, meu namorado apareceu na minha vida e estamos juntos há seis anos!

Foi engraçado, sabe? Um amigo dele, que já era meu amigo, ficou interessado em mim. Um dia estávamos conversando e meu namorado apareceu - fomos rapidamente apresentados. Tempos depois, meu namorado tentou bancar o cupido e conversava comigo sobre esse nosso amigo, haha (e não, nós não tivemos nada, rs). Com o passar do tempo, nós dois desenvolvemos uma "amizade colorida" que se transformou em um amor tão bonito ♥.

Beijinho

Lolla disse...

Esse negócio de apresentação NUNCA funcionou comigo. Acho que nunca sequer fiquei com alguém que me tivesse sido apresentado. Sempre ficava desconfortável, o cara idem... Tem que ser por chance, mesmo.

Mas olha, é engraçado que você não consiga pensar em ninguém "decente" pra apresentar entre os seus amigos. Eu acabei rindo, sorry. :D

Emi disse...

Acabei um namoro de seis anos e ainda tô na fase de fugir de tudo que possa lembrar um relacionamento. O mais engraçado é que, enquanto as amigas têm noção disso, os amigos homens ficam querendo apresentar outros amigos. Pra piorar, eles não têm critérios confiáveis, gente! Não têm! Medo.

Nina Vieira disse...

Pois é, te contei que to casada? Que já resolvi essa parte da minha real life? Sorte, viu.
haha, beijão!

Fernanda disse...

Estou na mesma, mas parece que fiquei tanto tempo indisponível que não sei mais ser solteira. Mas sei lá, essa coisa de apresentar nunca rolou comigo. Sempre peguei amigos, primeiro por interesses em comum e sem pretensão nenhuma. Depois vira alguma coisa. Mas acho que a gente esquece como essas coisas funcionam, né. Eu esqueci.

Mia Sodré disse...

Eu sempre apresento as pessoas para os amigos. Ou para a família. Minhas duas cunhadas fui em quem apresentei para meus irmãos. hahaha Mas quando se trata de mim... well, as pessoas não costumam acertar no meu gosto. Então eu me arranjo sozinha mesmo. Pesquiso a vida da pessoa e, caso esteja dentro do que eu quero, tomo a iniciativa. Costuma dar certo. Meu namorado que o diga. hahaha
Adorei seu sonho! Sempre tenho sonhos desse tipo também. Sempre. ¬¬