24.7.13

Às vezes eu me sinto gorda.

Meu quadril é - e tem sido desde meus 13 ou 14 anos - muito maior que a da maioria das meninas. Eu tenho lordose, então sou um pouquinho projetada pra frente e acho que não perco essa minha barriguinha nem com lipoaspiração. Coxas enormes, quadril cheio de estrias, braços que balançam, bunda que não cabe nem na sarjeta nem em quase nenhuma calcinha, uma barriga que teima em aparecer em todos os vestidos e uns sessenta e poucos quilos. Quando você tem um metro e meio e todas as modelos e atrizes e sex symbols com vinte centímetros a mais que você pesam dez quilos a menos, você começa a se achar, invariavelmente, gorda. E eu sempre me achei gorda, desde uns 12 ou 13 anos.

Depois de muitas lágrimas, um pouco de academia, uma dieta hardcore que eu não quero repetir jamais e muito feminismo, finalmente aceitei meu corpo. Sempre pesei sessenta e poucos quilos, sempre tive esse corpo e eu nunca tive colesterol alto ou pressão alta ou nenhum desses problemas. Se eu fosse uns cinco quilos mais magra provavelmente os ossos do meu quadril ou da minha costela apareceriam e isso não é tão glamouroso quanto parece na Vogue.

Mas, de vez em quando,  principalmente quando estou inchada de TPM ou quando como carboidrato demais vários dias seguidos, ou quando assisto filmes da Sophia Coppola cheia de atrizes adolescentes magrinhas, ou quando olho o tumblr repleto de meninas pequenas com vestidos levinhos e flores no cabelo que eu nunca conseguiria usar, às vezes me sinto gorda.

Aí encontrei vários blogs legais de look do dia de meninas normais, "gordinhas" como eu e comecei a ver que existem jeitos de usar roupa bonita sem precisar esconder o corpo ou fingir que é magrinha como as meninas da TV e das revistas. Mas o mais legal mesmo foi esse blog aqui. Contradizendo a norma de meninas normais que usam legging "sem poder" ou roupas justas porque são gordas que se acham gostosas, esse é um blog dedicadas às meninas lindas que se acham gordas. É legal porque tem vários tipos de corpos, a maioria se parecendo comigo ou com minhas amigas. E várias meninas têm estrias. Estrias! E eu sempre paro, chocada, pensando que essas meninas nem são gordas.

E nem eu.




Fonte das imagens: http://gostosa.tumblr.com/

8 comentários:

Andreia disse...

Não és a unica neste clube. Eu também sempre me senti gorda, e duvido que não aja mulher no mundo que não encontre imperfeições no seu corpo.

Eu sou cheinha e tenho de sêlo depois de ter passado pelos - quase - 35 quilos (o trabalho consumiu-me muito!) e agora estou 65/70 quilos e aprendi a gostar de mim.

E bem, qualquer coisa o meu namorado está mais que diposto a provar-me (não preciso explicar ne? ^///^) que os meus quilinhos a mais não são problemas mais.

E depois tenho lido livros em que elas são gordinhas e eles adoram mulheres assim. Alias, as outras mulheres dizem que adoraria ter um corpo assim. Penso que as autoras se deram conta de não adianta escrever sobre mocinhas com "corpos perfeitos" se as leitoras estão longe disso. E também, porque não há problema em ser cheinha.

Não sei como se chama (ou melhor dizendo: não lembro! rs) mas ando encantada com esta saga. <3

Beijokas

Nina disse...

Semana que vem, irei ao psicólogo conversar sobre minha magreza. Não me considero bulímica nem anoréxica. Mas sei que tenho algum problema.
Não sentir fome, por exemplo.
Rejeitar comida.
Eu sempre fui muito magra, já devo ter lhe dito isso. Mas o fato de eu ter o corpo de uma top model (sim, eu tenho. e já fui modelo), não significa que fiquei ausente de problemas. Até de aidética já fui chamada. Não sei se é uma rejeição pior do que ser obeso, mas foi muito ruim.
Ainda tenho neuras para encontrar roupas bacanas. Nem sempre é possível: sempre uma bainha para fazer, uma roupa para apertar.
Eu sou à favor de que cada um se cuide e respeite o próprio corpo. Eu já quis muito engordar. Se você fez dieta hardcore, eu já fiz dieta pagodão de domingo em cima da laje. Comia de tudo e nada adiantava. Tenho o metabolismo acelerado.
Às vezes, acho que vou sumir. Falo sério.
E você é lindona mesmo. Quem me dera ter mais quilos.
Abraços.

Thay disse...

Pelas medidas que você passou no texto, você não chega nem a ser gordinha! Suas medidas são perfeitamente sadias, e é isso que importa. É um saco tentar se encaixar nessa ditadura de magreza exagerada, e faz tempo que larguei mão de tentar parecer a Alessandra Ambrósio.

E é perfeitamente normal, também, se sentir acima do peso em certos períodos do mês. Ou horários do dia. Somos mulheres e não estamos livres das neuras. Mas o importante é fazer o que fez, se aceitar com todas as perfeições e defeitinhos.

(:

Suzi disse...

É o estereotipo maldito que imposto. Lendo o seu post me identifiquei um pouco. A diferença é que sou magra. Sempre fui excessivamente magra. Só agora estou ganhando um pouco de corpo por causa dos anticoncepcionais. E, sabe, finalmente resolvi me aceitar. O que é engraçado é que a gente vive com a visão de que somos feias. Eu queria ver uma foto sua pra te dizer, mas mesmo não vendo: sei que não é feia. E outra, essas meninas do blog que indicou não sou gordas. Pelamordedels, elas são lindas! Ainda falta um pouco pra eu ter essas curvas... #inveja

Débora Braga disse...

Acho que isso é normal e acontece até com a menina que é magérrima e modelo. Uma pena! Eu as vezes também me sinto assim e não sou gorda. Sempre vejo mulheres mais altas que eu, e que pesam 10kg a menos e fico chocada! E ainda mais agora com essa onda toda de ser saudável, tirar foto do prato com saladinha, aí que me sinto a gorda mesmo. Mesmo como vc falou, tendo tudo certinho nos exames, nada errado.
Através do seu post descobri que eu também lordose hahaha. Eu já tinha reparado algo de errado na coluna e fui procurar no google. haha
Beijos, e não se sinta assim, somos todas lindas! haha

Emi disse...

Não, não sou. E quer saber? Não tem jeito. Até a mulher mais gotosona da academia vai ter seus dias reclamando de gordura.
O bom é a gente conseguir ser feliz do jeito que é na maior parte do tempo, porque o tempo todo não dá de jeito nenhum. hahahh

Kamilla Barcelos disse...

Apesar de ser magra, sempre odiei os padrões, que nunca me permitiram dar uma engordadinha. Tantas mulheres são lindas fora dos padrões. Acho maravilhosa a Adele.

lizce disse...

Escrevi sobre isso ontem no meu blog, pois comigo aconteceu a mesma coisa que com você, na mesma sequência. Eu acredito que muitas meninas passam por isso diariamente e acho quase inevitável, a gente é rodeada de mulheres etéreas e é uma luta muito grande para tentar nos desfazer desses padrões e ser feliz sendo diferente. É como alguém comunista vivendo em uma sociedade capitalista... No meu caso, assim como no seu, alguns blogs me ajudaram demais na aceitação, indico todos para as meninas mas apesar de hoje ser feliz ainda não sei o que dizer a alguém que se sente insatisfeita como eu me sentia, é difícil.