1.12.10

Sobre Harry Potter.

Eu já falei sobre isso aqui. Acho que Harry Potter foi o livro mais importante da minha vida. Eu não tinha muitos amigos em nenhuma fase da escola, então era como se os personagens fossem meus amigos. Durante certo tempo da minha vida, eu podia relacionar tudo que acontecia comigo com episódios e passagens dos livros. Era fantasia de forma palpável. Passei anos esperando, inconscientemente, que uma coruja aparecesse com uma carta pra eu ir estudar em Hogwarts. Ficava ansiosa toda vez que via uma. Desisti aos 14 anos. Eu já estava velha demais. Para entrar na escola de bruxos, não para acreditar.

Acho que essas coisas são memórias de toda uma geração. Saber feitiços de cor, querer uma Firebolt de aniversário, comprar chapéus de bruxos em brechós. Quando eu soube que iam sair filmes, sabia que seria uma coisa ruim. Ia popularizar. (Eu sou indie desde criança.) Mas quis ver mesmo assim. Vi A Pedra Filosofal em DVD. Achei muito chato. Mas era Harry Potter. Assisti à Câmara Secreta três vezes no cinema, era legalzinho. Prisioneiro de Azkabam, não fossem todos os furos do roteiro, seria meu filme preferido, assim como tinha sido o livro. Cálice de Fogo já foi meio fraquinho. E eu realmente detestei A Ordem da Fênix. Eu não esperava mais nenhum dos filmes, sabia que destruiriam todos os outros, meus personagens queridos. Sabia que tirariam as melhores passagens dos próximos livros.

Eu não era muito fã dos filmes, eles todos eram mais ou menos. Bons pra ganhar dinheiro. Nenhum dos personagens (salvo Sirius Black, Bellatrix Lestrange, os gêmeos Wesley e, claro, Voldemort) convenciam muito. O único personagem dos três principais que mantinha o carisma dos livros era o Rony. Mesmo ele fazia caretas demais. E eu odiava o Daniel Radcliffe desde o primeiro filme. O que fizeram com meus personagens preferidos? O que fizeram com meus livros??

Há alguns meses atrás, sabendo que eu teria que ver todos os filmes eventualmente, aluguei o DVD do Enigma do Príncipe. E gostei. Foi um bom filme. Bem feito, até o Daniel Radcliffe estava atuando bem. E nem picotaram o livro! Fiquei mais otimista.

Mas eu nem sabia a data de estreia (pela primeira vez) do Relíquias da Morte. Fiquei surpresa (como a pressa de tudo nesse ano tem me surpreendido) que tinha entrado em cartaz agora em Novembro. Todos os outros, seguindo a tradição de blockbusters americanos, tinham saído em Junho. Ainda por cima, prometeram esse filme em 3D. Eu fiquei com medo. Relíquias da Morte é o melhor livro, meu preferido, com os melhores pedaços.

E, então, na data de estreia, vejo meu twitter inundado de pessoas dizendo o quanto gostaram do filme, que era lindo, que choraram quando o Dobby morreu, que a animação da história dos três irmãos era tão boa que nem parecia Harry Potter. Logo eu imaginei que fosse besteira de fãzinho que aceita qualquer coisa.

Mas não. Eu fui ver o filme ontem, numa sessão razoavelmente cheia para uma terça-feira à noite. Eu estava morrendo de enxaqueca e tinha acordado de mal-humor. Nunca nada me fez tão bem na vida. Eu só consigo pensar nele. Nem meus amontoados de trabalhos finais que parecem não estar andando conseguem me deixar menos feliz. Foi maravilhoso. Chorei o filme todo. É exatamente aquilo que eu esperava desde o primeiro filme, desde que anunciaram que fariam filmes de Harry Potter.

Os atores estão TODOS ótimos, os cenários são deslumbrantes, não cortaram nenhum pedacinho do livro. Todas as emoções estão lá. A desolação, o abandono, a falta de esperança do que fazer com Horcruxes que não sabemos onde estão nem como destruir. Beijos de verdade. É idiota, mas acho que isso mostra a mudança pelo qual os filmes passaram. Este está muito mais adulto, mais sóbrio. E, sim, a animação é a melhor parte do filme. De todos os filmes. É fantástico. Tão fluido...

Esse filme foi tão bom. Tão bom que nem lembra os outros. Nem de longe.

6 comentários:

carlos massari disse...

eu nunca li nenhum livro do harry potter. vi só os dois primeiros filmes, e achei muito chatos. sou cult e vou contra todo mundo desde criança.

Pedro disse...

Eu gostava bastante de Harry Potter quando era menor, mas acho que cresci mais rápido do que o lançamento do último livro, que só li dois anos depois. Vejo os filmes mais por uma questão de hábito do que por ansiedade em vê-los. Acho que Harry Potter passou pra mim.

Nina Vieira disse...

Eu nao gosto muito de Harry Potter. Eu tambem sou indie e, quando popularizou, já não havia espaço para que eu gostasse. Assisti os filmes e achei bons até. Sao bem feitos. E penso que a infanciade quem assistiu ou lkeu Harry Potterdeve ter sido boa. É, de fato.

Gabriela Couth disse...

já te disse que chorei lendo isso, né? pois chorei :~

Emi disse...

E Dobby morrendo na tela conseguiu me fazer chorar tanto quanto no livro. D:

Gabrielle disse...

Até que enfim alguém com mais de 16 anos que entende minha paixão por Harry Potter!!! Sempre que falo em uma conversa que gosto de Harry Potter todo mundo torce o semblante e faz comentários do tipo: "Eu dormir vendo o filme!", "Como vc pode gostar dessa coisa idiota?", "Aquele garoto é muito feio", "Você tem quantos anos?" e blábláblá. No início eu até tentava discutir sobre o assunto e explicar que os livros é q são capazes de nos revelar o encanto e magia da coisa, mas não adiantava, então resolvi deixar pra lá pq oq importa é que eu aumentei minha imaginação, sonhei, ri, chorei e já li umas 6 vezes a coleção inteira.
Ahhh corrigindo, vc não foi a primeira pessoa q encontrei que entende minha paixão, o Felipe Neto (do Vlog Não faz sentido) tbm entende! Gostei muito do seu blog, sou blogueira iniciante, minha visita será constante aqui!