26.11.10

cupcake.

ontem eu fui trocar um cupom do clube urbano na márcia mello. chegando na loja, vi na vitrine um vestido que eu queria muito. era de festa, preto, curto, de renda e com tule embaixo da saia. perfeito, tudo que eu sempre quis. aí eu entrei pra experimentar, feliz porque era uma das únicas peças bonitas que entrava na promoção.

perguntando pela peça pra vendedora, ela me disse que só tinha em lilás. eu odeio lilás. acho cor de menina fresca, neutra, daquelas que só vestem cores pastéis e nunca entram em discussões polêmicas. mas tudo bem. a maioria das pessoas não sabem o nome exato das cores. pedi pra moça trazer mesmo assim. o vestido não era lilás. era roxo. era quase roxo-escuro-túmulo, do jeito que eu adoro. mas, bem... roxo o vestido se tornava menos perfeito. tudo bem, continuava bonito.

entrei no provador (aquele lugar horroroso, pequeno demais, com espelhos demais e a iluminação certa pra deixar minha pele amarela e todas as estrias aparecerem). o zíper estava emperrado e não queria fechar. segurei o vestido fechado, pra ver se realmente valia a pena. olahndo no espelho, contemplei o horror:

eu parecia um cupcake vestindo aquilo. um doce. de casamento. daqueles cheios de firula. e parecer um bolinho lilás ornamentado de lacinhos, amigas, não é necessariamente a melhor coisa do mundo.

nem me importei em fechar o zíper direito. devolvi o vestido pra atendente. eu queria parecer uma mulher, não um docinho.

3 comentários:

Nina Vieira disse...

Raramente compro vestidos. quando o faço, não há ocasião para usá-los.
Gosto de lilás. E tons pastéis. E entro sim em discussões polêmicas.na sua vida, eu seria um exceção.
Na minha, você já é.
Abraços, moça.

Gabriela Couth disse...

gostei do comentário anterior :D

bom, eu ultimamente venho me sentido atraída por essas coisas românticas cheias de laços, tules e rendas. ao mesmo tempo em que acho lindo coisas com tachas. (nota-se que não sou muito linear com meus gostos)

mas nunca tinha pensado nisso... talvez por não ter vestido nada recentemente que me deixasse parecida com um bolo...

acho que o preto teria ficado melhor!

:****

(e sim, post anterior: gosto de crianças, mas sempre penso a mesma coisa. especialmente da minha sobrinha-do-meu-namorado, que é loirinha, tem o cabelo comprido e é bem fresquinha. é uma frescura fofa, mas que daqui a uns anos certamente será maldosa e igual a todas aquelas meninazinhas populares que hoje em dia estão grávidas)

(mas espero muito que a rafinha não tenha esse futuro! espero mesmo)

Pedro disse...

Tem roupas que foram criadas para serem usadas por cabides e manequins.