22.8.10

feminismo

uma vez minha tia me deu um creme maravilhoso da victoria secret de presente de natal. tinha a melhor textura do mundo. dava vontade de se mergulhar no pote, usar tudo de uma vez. ele só tinha um defeito: cheirava fortemente à chiclete. de tutti fruti. daqueles que vêm com figurinha da barbie em volta. e o maldito do cheiro ficava desde a noite anterior, antes de dormir, até a noite seguinte, quando eu tomava banho. eu não queria cheirar a tutti fruti. eu queria cheirar a mim mesma.

essa historinha toda é só um preâmbulo para o que eu realmente queria contar.

de uns tempos pra cá, uns dois meses, parei de depilar as pernas. no começo era pura preguiça, mas depois que os pêlos já ficaram suficientemente longos para que eu começasse a me identificar com uma-daquelas-meninas-da-faculdade-de-artes-que-não-depilam-as-pernas, eu resolvi procurar uma pregorrativa melhor. e eu tinha mesmo. não esixte mesmo uma explicação razoável além do estético e cultural para as mulheres precisarem fazer isso. eu demoro a me incomodar com pêlos e tenho a distinta impressão de que ninguém mais se incomoda com isso. meu namorado, pelo menos, nunca reparava quando eu deixava de depilar e as outras pessoas - bem, elas simplesmente não me importam.

decidi que nunca mais depilaria as pernas, nem para eventos formais em que isso fosse exigido. faria disso um símbolo de protesto. algo que dissesse "se não ME incomoda, também não me importo se faz diferença para outras pessoas".

mas, sabe, é inverno. tem ficado bastante mais quente e seco ultimamente no deserto do interior paulista. pêlos dificultam a aplicação de hidratantes (que eu realmente só uso quando sinto minha pele rachando. e esse inverno tem sido uma dessas épocas.), além de, meu deus!, tornar o simples ato de enxugar as pernas com uma toalha terrivelmente mais penoso.

me depilei mais cedo. só do joelho para baixo.

que feminista de merda que eu sou.

3 comentários:

♥ elisa disse...

O que a necessidade não faz, né?
Eu me depilo desde os treze anos, quando a minha mãe deixou eu me depilar, pq se dependesse de mim eu só tinha cabelo na cabeça! kkkkk

Alice Voll disse...

sou como a Lya, detesto pelos, queria ser indio, quase nao ter pelos e ainda cabelo liso!
e cara, ser feminista nem quer dizer ser desleixada!

carlos massari disse...

tô esperando você aparecer com a bandeira do pstu na sala amanhã.