8.2.13

Nostalgia

A gente faz 20 e poucos anos, começa a se achar velho e a sentir saudade do jeito que as coisas eram quando a gente era criança e não tinha responsabilidades ou dores no coração. Aí a gente fica se convencendo de como era legal fita K7 e disquete (que só quem nunca teve que usar pra achar que era bacana), de como os desenhos animados que a gente assistia eram tão mais educativos (sendo que tinha um diabo travesti como um dos maiores vilões das Meninas Super Poderosas) e de como eram gostosas as comidas que a gente comia quando era pequeno. Até trouxeram o chocolate Lolla de volta. Juro que eu não lembro desse, vai ver não era da minha época.

E então que eu precisava perder umas horas em São Paulo. E eu decidi ir pra Liberdade porque é lá que se perde tempo comprando adesivos e doces, comendo comida japonesa por um valor razoável e fingindo que a gente tá em Tokyo. Entrei numa loja maravilhosa só de doces, bem pertinho da saída do metrô. Lá vende doces importados e nacionais por preços módicos. Uma das coisas mais baratas era uma barra de chocolate branco com pistache, importada da Turquia. Diz Beyaz Çikolata Antep Fistikli na caixa. Agora eu sei como se diz chocolate em turco. E custava só R$2,90. Eu adoro pistache. Não gosto muito de chocolate branco. Se fosse uma merda, pelo menos teria perdido só dois e noventa.

A outra coisa que eu achei foi Tortuguita. Tinha de todos os tipos: chocolate branco com recheio de chocolate preto, brigadeiro e chocolate preto com recheio de baunilha. Escolhi o último, o mais gostoso. Adorava Tortuguita. O ritual de comer a cabeça primeiro, igual na propaganda, depois as perninhas, depois ir pro casco. Saudade de todas essas comidas que a gente comia com ritual: chocolate da Mônica, bolachinha Foffys. Tenho certeza que as crianças de hoje têm rituais diferentes pra comer as comidas deles e que nossos pais tinham outros costumes semelhantes.

Sentei na escada do metrô pra comer meu chocolate, que reservei pra depois do almoço. Tinha um grupo de amigas conversando na escada abaixo de mim, dois casais namorando logo na frente do metrô, um de adolescentes bem novinhos, outro mais velho.

Abri minha Tortuguita. Mordi a cabecinha. Gosto de chocolate hidrogenado. Mordi as perninhas. Mordi o corpinho, tomando cuidado pra não encostar o chocolate nas minhas mãos sujas de escada de metrô (quando a gente é criança, não tinha essas preocupações), a baunilha era doce demais. A única coisa que salvava eram as bolinhas crocantes do recheio. Terminei a tartaruga, bem maior do que eu lembrava, por orgulho, por saudade aos velhos tempos. E ainda tinha um casal da minha idade que realmente deveria parar de se pegar no meio da rua e ir a um motel.

Espero que nunca voltem a fazer o chocolate da Mônica. Existem coisas, como fitas K7, disquetes e desenhos animados homofóbicos, que só são boas mesmo no passado.

8 comentários:

Dea Carvalho disse...

Ah, eu lembro do chocolate! Acho que era Lollo, o nome, masculino... ah já nem sei.

É mais confortável o passado. Você o conhece, você esteve lá. No surprises.

Mia Sodré disse...

**um diabo travesti**
HAHAHA
Adorava ele. Um dos melhores vilões de desenhos ever - após Mum-Rá, porque né? Ele tem vida eterna, genty! hahaha

Posso nem mais ouvir falar em Tortuguita, não. Adoro, mas fui inventar de comer uma numa dessas madrugadas e bem na hora que tava fazendo o ritual, o boy resolveu me deixar. Por facebook. Pela madrugada. OU SEJA. Nem rola mais por um bom tempo.
hahaha
É.

Kissu ;*

Thay disse...

Ah, eu bem que queria o chocolate da Turma da Mônica de volta! Aquele em que o personagem era de chocolate branco e contorno, preto. Adorava! Esses dias eu comprei duas Tortuguitas, uma pra mim e outra para o meu irmão. De vez em quando dá uma nostalgia, mas é aquela sensação gostosa até. Mas o que deveria voltar mesmo é Kinder Ovo por 1 real, haha.
Beijo!

Jaqueline Ferrera disse...

nada que você comeu quando era crainça vai ter o mesmo gosto agora...esse é meu lema....já tentei reexperimentar várias coisas de quando era criança, mas nada é igual!

marcela disse...

Adoro posts nostálgicos, pq eu fecho os olhos e lembro de tanta coisa legal da minha infãncia/adolescencia... mas o ritual da Tortuguita é eterno, cara hauahuah amo!

Gabriela Couth disse...

Bom mesmo era aquele chocolate que era preto e branco, e a gente comia a borda bem juntinho do desenho. Esse era o da turma da Mônica, nera? Nem lembro.

Também ganhava aquele compridinho e fininho vermelho, que vinha com figurinhas de dinossauros, do meu Tio Avô. Eu adorava o Tizé porque ele sempre tinha um saco de chocolate do dinossauro para dar...

Nunca gostei muito de tortuguita, e esse Lollo também não é da minha época, não, hahaha!

Beijo

Almeida José disse...

Olá, tudo bom?

Cara, não tem como não gostar de um blog que fala sobre Tortuguita, um dos melhores chocolates do mundo (é recheado de saudosismo, o doce mais doce dos doces).

Eu sei que a gente não se conhece e que a é a primeira vez que eu comento, mas quero te agradecer por trazer um pedaço da minha infância pra esse domingo insosso. ;D

A.José

www.conteiro.wordpress.com

Emi disse...

ACONTECEU COMIGO TAMBÉM.
E minha história é ainda pior, porque eu comi pouquíssimas Tortuguitas na minha infância. Era tipo artigo de luxo porque ela era cara ou sei lá. hahha
Aí recentemente vi as benditas em algum lugar e resolvi comprar um monte para me vingar do passado. E eu, a louca dos chocolates, achei tão ruim! Decepção define.