22.11.12

Spike, tacho, caveira

Eu já devo ter comentado aqui - ou em alguma outra rede social - que eu entro na moda no inverno e saio de novo no verão. A moda de inverno sempre tem uma pegadinha rocker, de preto e branco, renda, tachas, coisas de Londres. E como eu quero muito morar em Londres, acabo me vestindo como se morasse lá. No verão não acho nada que eu goste. Tropical, cores quentes, laranjão, rosa pink, moda praia, hippie chic. Até fica legal em algumas pessoas, mas não em mim. Não combina em nada com a minha personalidade.

Mas aí esse verão aconteceu uma coisa estranha. A pegadinha rocker que veio no inverno continuou. Spikes, crucifixos, tachonas, sapatões pesados, caveiras. Tudo que eu realmente gosto muito e estava começando a parar de usar porque, né?, coisa de adolescente. Mas aí eu vejo mulheres adultas e sérias misturando várias pulseiras de spike e sapatos de tachas em lojas para gente grande. Não preciso mais ir à Galeria do Rock procurar um bom colar com pingente de crucifixo enorme e tem caveirinha em absolutamente tudo, até pulseirinha de feira hippie. Vi na internet que creeper está na moda. Como eu quis um creeper aos 16 anos, quando era gótica-poser que olhava as lojas de roupas de vinil na internet, sonhando com o mundo em que eu pudesse usar todas essas coisas sem vergonha nem me sentir deslocada. Estou até conseguindo usar as bijuterias de adolescente normalmente. E até gente bicho grilo já elogiou meu coturno que vai até o joelho.

A parte legal é que vende colar de spike até na Morana. Comprei uma sandália cheia de tachos e spikes e minha mãe pediu emprestada. Achei um colarzinho lindo com uma caveira fincada numa adaga por R$2,50 na lojinha trash de biju da rodoviária. Posso usar todos os acessórios de adolescente de novo, vestir o que eu realmente acho bonito sem parecer criança. Comprar o mundo dos spikes. Spike na bolsa, no casaco, no sapato, nas bijuterias todas. Só tenho restrições básicas a pulseiras. Sei lá, vou ter que achar uma realmente muito bonita que não me lembre braceletes de Black Metal. Caveiras em tudo também. E crucifixos, claro. E aí eu espero a modinha passar e visto essas coisas pelo resto da vida.

O lado ruim é que é modinha. E vejo pulseira de spike neon. E meninas que não tem a menor idéia de nada usando caveiras em tudo. Bom. Vai passar. Na próxima estação, quando Alexander McQueen ou Valentino inventarem outra coisa e todo mundo for copiar.

Mas mesmo assim, me dá uma sensação meio esquisita de ver todo mundo vestido como eu.

7 comentários:

Gabriela Couth disse...

Eu tenho o estilo meio renner, meio todos, tem dia que estou farm, tem dia que estou roqueira... mas acho lindo caveirinhas, e até nos meus vestidos mais rodados, adoro usar.

e tem coisa mais linda (hoje) que qualquer sapato com qualquer tipo de tachinha? inclusive até comprei um saco de tachas no eBay (200 por 2,50 dolares) pra poder customizar tudo, e encheeeerrrr todas as minhas coisas de tachas até enjoar.

a moda é um saco, mas às vezes ela é tão linda, né?
beijo!

Marcos disse...

Eu adoro bermuda, chinelos e camisas de uma cor só, sem estampas.

Sou quase um personagem de tirinha.

Fernanda disse...

Estou sentindo a mesma coisa. Lembro de ano atrás procurar tachas para colocar numa bolsa e levar um olhar meio torto da mulher do armarinho. Agora não preciso, tem tachas, spiker, em tudo que é coisa. Comprei um sapato off white com spikes numa sapataria convencional, e emocionei as amigas, até as mais certinhas. Adoro isso. Ainda sendo adulta e tendo que usar roupas de gente grande. Claro que é moda, mas uma coisa que noto é que certas tendências - odeio a palavra, mas enfim - tem teimado em desaparecer. Vão aparecendo releituras das releituras por anos, mudando, mas não sumindo. E acredito que essa pegadinha mais rocker misturada com roupa de vó (ou vô, como os oxfords da vida) ainda fica um tempo. Tomara, adoro achar tudo assim, tão fácil. E as que usam sem realmente ter o estilo, bom.... vítimas da moda sempre vão existir, não é?

Nina disse...

Outro dia comprei uma camiseta branca, com uma caveira dourada desenhada na frente. Tinha gostado. Mas então, chegando em casa e experimentando a dita cuja, vi que era um esqueleto vestindo outro. Já te contei que sou muito magra? Eu não combino com essas coisas.
Abraços.

Suzi disse...

Engraçado que eu não entro na moda. só se for na moda de outras coisas...

Mas,esse negócio de se vestir conforme tendência...não sei. eu acho que a pessoa tem que pegar uma coisa de cada uma e montar o seu jeito próprio jeito de se vestir

Kamilla Barcelos disse...

Vamos andar juntas então? Eu não me enquadrei bem a essa moda. Continuo com as minhas roupas de sempre, já me falaram que sou despojada-romântica, se é que esse estilo existe. hahaha

Emi disse...

hahah Mas o bom é isso que você falou: as coisas permanecem e a gente pode usar depois que a moda passa.
Eu pelo menos agradeço à moda da cintura alta porque tenho vício. Achava lindo e nunca achava para comprar até o bendito dia em que todas as lojas resolveram só ter isso.
Agora sou feliz enquanto a maioria migrou para a saia bandage com camisa... E pras regatas de caveira com short neon. rs